Quem sou eu

Minha foto
Publicarei noticias esportivas de guarapuava e região , e algumas fotos da história do futebol em guarapuava .

quinta-feira, 15 de julho de 2010

BATEL E O " TARAIRA " UMA HISTÓRIA.......

BASE DO GRUPO DE 92

EM PÉ - Vilmar Rodrigues(supervisor),George, Dinho, Rosa, Ivolmar, Dirceu Pato e Claudinei
AGACHADOS- Bernardo, Evandro Mico, Haroldo José, Joel.

Nossa cidade sempre teve figuras que marcaram épocas, loucos, políticos, atletas e sábios cada um com suas histórias muitos são esquecidos, pois as novas gerações não se importam com o passado, vivem o presente não podemos culpá-los por isso. Vou comentar hoje sobre a vida de uma pessoa que marcou época nos idos de 60/90 que para muitos sua presença era desagradável, pois se notabilizou como um ser humano que tinha um parafuso a menos, vivia enchendo o saco de todo mundo na rua xv de novembro e na antiga estação rodoviária, seu apelido “Taraira”, agora talvez os mais antigos lembrem ou presenciaram suas maluquices. Esse homem era um tormento dos empresários da época, este ficava na espreita no ZBM (Zona de Baixo Meretrício) e quando avistava algum figurão casado saindo acompanhado de uma bela meretriz, era fim de carreira para o traidor, pois este esperto maluco se aproveitava e passava semanas atormentando o infiel marido ameaçando que ia entregar a sua conjugue o que ele presenciou e tirava o dinheiro do apreensivo devedor e assim se mantinha bem alimentado e se sustentava diariamente. Muitas outras histórias esta figura foi protagonista, me lembro o dia que meu saudoso pai seu Rizziere Dalmaz correu atrás deste individuo com um facão erguido em mão, tudo porque naquele dia não tinha sobrado um prato de feijoada que minha família fazia no antigo Hotel Brasil, esquina Saldanha e XV e que ele era acostumado todo sábado e batia o cartão de graça, enlouquecido começou a distribuir palavrões que logo foi ressarcido pelo meu pai que o obrigou a correr senão o fazia o prato do dia com o facão afiado, este esperto picou a mula numa disparada sem fim rumo ao Buraco quente hoje parque do lago. Bem por que quis lembrar do Taraira este que foi como disse um folclórico cidadão guarapuavano e que me lembro do dia do seu desaparecimento, estávamos voltando de um treinamento físico pela A.A. Batel no vale do Jordão, quando perto da curva do mirante avistamos pela ultima vez a figura do José, este era seu nome, descendo para o parque vestindo apenas um calção branco e carregando em seus ombros uma toalha vermelha foi uma gritaria geral dentro do ônibus que nos transportava com essas frases... __ “Cuidado, vai morrer afogado”, “ou__” Não se afoga, pois já está de bóia”, referência a sua barriga saliente. Continuamos a história e vou contar qual é a relação entre o Batel e o José, Taraira é um peixe de água doce e Batel é uma pequena embarcação, ambos podem ter fim trágico. Eu só contei fatos do Batel nos seus dias de auge, hoje vou falar dos piores dias desta agremiação, em 92 quando embarremos pelo caminho com o Taraira o rubro negro encontrava-se numa situação caótica, disputava num quadrangular o torneio da morte onde só duas equipes ficariam na elite do futebol, nosso elenco era numeroso, mais era quantidade não qualidade, inchou o grupo com varias indicações de atletas por empresários desqualificados, muitos vieram e mostravam-se sem responsabilidade com a agremiação e com o grupo de atletas, estes em muitos treinos no parque do Jordão ficavam escondidos entre os Pinheirais mostrando-se maus profissionais, precisávamos reverter o quadro mobilizamo-nos principalmente com o grupo de residentes da casa que vestiam a camisa com gratidão e respeito com mais alguns atletas de fora e abraçamos a causa e se responsabilizamos por melhorar o empenho no trabalho e assim dar a volta por cima, e conseguimos e mantivemos o Batel navegando pelas águas do futebol paranaense e a Barca não afundou e não morremos na praia. E para o nosso inesquecível cidadão o Taraira que tinha a sua vida como cada dia era um dia de festa, que vivia sua loucura a seu modo, não teve a mesma sorte, fez a sua ultima viagem de lazer, foi encontrado submerso nas águas traiçoeiras do Jordão já sem vida afogado, assim acabou a história de José o “Taraira”, que poucos lembram, era chamado por muitos de louco por não expor suas idéias, diferente de muitos dos nossos políticos que impõem suas idéias, por isso prefiro a sàbia loucura do esquecido José.

4 comentários:

Prof Dallalibera disse...

Que Deus tenha em sua companhia o inesquecível Taraira e o saudoso Batel!!!

Anônimo disse...

va assustar o taraira

BRESSAN disse...

Conheci esta figura, ele nos ajudoo muito em 1982 no GEC, sempre pensando no momento e escreveu uma história, uma lenda da cidade..coração bom , não tinha maldade, apenas gostava de brincar ,até com coisas sérias..VÁ COM DEUS..

JOÃO CARLOS PEDROSO MOSCAL disse...

Chamavam o Taraira de 3 B, barrig, beiço e bunda, ele elouquecia