Quem sou eu

Minha foto
Publicarei noticias esportivas de guarapuava e região , e algumas fotos da história do futebol em guarapuava .

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

O CANTINHO DA SAUDADE SE FOI........


Infelizmente tem momentos em nossas vidas em que devemos criar uma barreira para que as más noticias e as coisas negativas não nos afetem, mas a direção dos bons e maus momentos só a "Deus" pertence, se fosse possivel usar uma peneira para filtrar as pessoas inesquecíveis e de bom caráter,com certeza um homem admirável ficaria na tampa, Luiz Cleve Teixeira nosso querido Tio Guarani, que nos seus últimos tempos cada dia que passava era uma vitória mais seu esforço acabou e teve enfim sua primeira e ultima derrota, já com uma idade avançada quase centenária o maior de todos desportista de Guarapuava subiu o seu ultimo degrau e agora se tornará uma lembrança o seu passado não nos pertence levou consigo, mais algumas histórias ele deixou registradas nos seus livros. Esta perda lastimável deste grande homem me faz lembrar que devemos ser felizes não podemos ter medo, dores, rancores e inveja e sim amar do nascer ao por do sol, e pensar que todo dia é o o primeiro dia do resto das nossas vidas. Vá com Deus Tio Guarani, um ser humano incomparável.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

BOM EXEMPLO...ALAOR GOMES DE LIMA

Lembro desta data 12/10/2001, era o “Dias das Crianças” não podia escolher melhor dia para encerrar oficialmente sua carreira como jogador de futebol o ex-atleta Alaor Gomes de Lima carinhosamente chamado pelos seus inúmeros amigos de “titio”. Como é bom relembrar os feitos desse atleta que foi sempre um exemplo, os professores e colegas que acompanharam sua trajetória não esquecem os títulos e medalhas que através da qualidade física e técnica deste grande amigo fez de varias equipes vencedoras em quaisquer modalidades a atingir muitas conquista e chegar ao topo do podium.___ ... “Foi o atleta mais completo do esporte guarapuavano” diz seu ex-professor e orientador de Paula. Não é só uma frase, pois quem o acompanhou no começo de sua carreira sabe a veracidade dessas palavras, pois representou nossa cidade em muitas seleções Ex: Handebol, Basquetebol, Voleibol, Futsal, Futebol de campo e no atletismo e destacavam-se em todas as provas, sendo elas de velocidade ou percursos longos, saltos de altura ou distancia. Alaor recorda com alegria os tempos de gurizada quando chutava touceira, e coco de cavalo nos campinhos para poder correr atrás da bola e com os pés descalço, logo foi convidado a treinar no Guarapuava E.C. onde iniciou sua carreira como atleta profissional de futebol, andou por varias equipes do interior de São Paulo, Paraná e Santa Catarina esteve um período no Vasco da Gama onde lamenta sua falta de experiência na época e de ter retornado a Guarapuava. E deixado o Vasco, são coisas do futebol. Quando parou de jogar trabalhou na Força e Luz mais o futebol estava no sangue e nas horas vagas treinava e atuava no Batel no primeiro ano desta agremiação no profissionalismo. Como treinador deu vários títulos para o G.E.C.e Danúbio da Colônia onde foi vice-campeão da taça Paraná se fez presente também trabalhando na A.A. Batel no profissional. Perto de completar quase meio século bem vivido, mas o tempo e a hereditariedade retiraram parte de seus cabelos e lhe colocou algumas arrobas no seu peso, mas foi benevolente não lhe retirando a humildade e a simplicidade, continua paternal, experiente, ponderado com seus alunos na Escolinha do Básico a qual comanda a mais de uma década onde já revelou muitos jovens talentos para o futebol amador , profissional e Futsal. Alaor não enriqueceu mesmo tendo ajudado tantos outros, todavia a dissimilação dos bons princípios através da pedagogia do futebol ele passou a muitos jovens, muitas empreitadas recebeu apoio de familiares e amigos para tocar adiante a escolinha do Básico, sempre se desdobrou para dar seqüência aos seus projetos e sonhos. Aquela velha frase “Fazer o bem sem esperar recompensa” é adequada para enaltecer este grande desportista, quem pode falar é Liberato supervisor do Deportivo que em muitas situações desesperadoras recorria ao véio titio Alaor pra montar equipes pra disputa estaduais em varias categorias. A sua historia no esporte não acabou, pois continua semeando nas crianças de sua escolinha o aprendizado de como ser um vencedor, dia das crianças despedida do futebol de campo de Alaor, mas continua fora dele orientando o Danúbio a ser campeão, mas campeões somos nos que temos o privilegio de ter o “Titio” como amigo e o dia das crianças é todo dia para os atletas da escolinha do Alaor. Parabéns grande amigo.
GUARAPUAVA E.C. EM 1980



Em pé -Boris Martins (diretor);Tico, Malinha, Dirceu Pato, Ivã Limeira, Paulo Garça e Alaor.

Agachados- Serginho, Taco, Zé Miguel, Pedrinho Mendes e Joãozinho






Com Liberato e Dirceu Pato no seu programa de esporte


Tempo que jogava no Batel



Escolinha do Básico
Em pé-Alaor(tecnico)-Paulinho Ianesko Jr, Cherato, Dudu,Ivan.
Agachados- Enéas, Tiago Bastos, Caique, Buiu, Brandalise.














terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

TORCEDOR NÃO ESQUEÇE...TIM E FERRUGEM...

Tim atacante veloz em 92



Adelcio Oliveira o Ferrugem


Na foto Ferrugem e sua filhina em 94



É bom relembrar as tardes de domingo, onde era quase obrigatório após o almoço em família e aquele cochilo rápido, acordar com a cara amassada se reunir com a turma e se deslocar ao Valdomiro Gelinski para assistir o jogo do Batel. Como é bom recordar as presenças no elenco do Batel de duas peças importantes da sua história, os lépidos ponteiros Tim e Ferrugem, os dois não tiveram a oportunidade de atuaram juntos no elenco Batelino, mas suas presenças em momento alternado deixaram suas marcas positivas na memória do torcedor. Primeiro chegou Tim, que eu já conhecia dos tempos de São Paulo quando ele atuou pelo XV de Piracicaba, atacante veloz que às vezes corria mais que a bola, contratado por indicação do técnico Agenor Picinin em 1992 veio com a incumbência de ajudar o Batel a voltar à primeira divisão e com suas arrancadas e belas jogadas que faziam os torcedores ficarem de pé e muitos gols ajudaram com certeza à volta do rubro negro à elite do futebol paranaense. Lembro da angustia de seus marcadores se referindo a Tim...” Nem com um laço dá pra marcar esse neguinho “ .
Já Adelcio Oliveira chegou para vestir às cores rubro negra de Guarapuava em 1994 peça importante no esquema do técnico daquele momento “Paquito” que já o conhecia de Beltrão,.... Ops, ops...? Esqueci de relatar Adelcio é o conhecido Ferrugem, baixinho chato que se deslocava por todo o ataque abrindo assim espaço para seus companheiros e também tinha ótimo aproveitamento nas conclusões. Fez grande jogadas e gols importantes na melhor fase da A.A. Batel nos campeonatos de 94/95, lembro de 99 contra o Coxa no Valdomiro Gelinski ganhamos de 1 x 0 gol do pequeno grande atacante Ferrugem , está época eu não jogava mais estava na função de técnico.Bem as tardes de domingo não são as mesmas de outrora, mas continuo lúcido e por isso quando escrevo das qualidades de algum atleta é porque tenho certeza pois os conheci e atuei com eles, as lembranças do coro da torcida gritando “ Tim “.....” Ferrugem “..., são momentos inesquecíveis, ninguém discutia a importância deles no time, pois suas presenças eram garantia de gols e estádios lotado.