Quem sou eu

Minha foto
Publicarei noticias esportivas de guarapuava e região , e algumas fotos da história do futebol em guarapuava .

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

TORCEDOR NÃO ESQUEÇE...TIM E FERRUGEM...

Tim atacante veloz em 92



Adelcio Oliveira o Ferrugem


Na foto Ferrugem e sua filhina em 94



É bom relembrar as tardes de domingo, onde era quase obrigatório após o almoço em família e aquele cochilo rápido, acordar com a cara amassada se reunir com a turma e se deslocar ao Valdomiro Gelinski para assistir o jogo do Batel. Como é bom recordar as presenças no elenco do Batel de duas peças importantes da sua história, os lépidos ponteiros Tim e Ferrugem, os dois não tiveram a oportunidade de atuaram juntos no elenco Batelino, mas suas presenças em momento alternado deixaram suas marcas positivas na memória do torcedor. Primeiro chegou Tim, que eu já conhecia dos tempos de São Paulo quando ele atuou pelo XV de Piracicaba, atacante veloz que às vezes corria mais que a bola, contratado por indicação do técnico Agenor Picinin em 1992 veio com a incumbência de ajudar o Batel a voltar à primeira divisão e com suas arrancadas e belas jogadas que faziam os torcedores ficarem de pé e muitos gols ajudaram com certeza à volta do rubro negro à elite do futebol paranaense. Lembro da angustia de seus marcadores se referindo a Tim...” Nem com um laço dá pra marcar esse neguinho “ .
Já Adelcio Oliveira chegou para vestir às cores rubro negra de Guarapuava em 1994 peça importante no esquema do técnico daquele momento “Paquito” que já o conhecia de Beltrão,.... Ops, ops...? Esqueci de relatar Adelcio é o conhecido Ferrugem, baixinho chato que se deslocava por todo o ataque abrindo assim espaço para seus companheiros e também tinha ótimo aproveitamento nas conclusões. Fez grande jogadas e gols importantes na melhor fase da A.A. Batel nos campeonatos de 94/95, lembro de 99 contra o Coxa no Valdomiro Gelinski ganhamos de 1 x 0 gol do pequeno grande atacante Ferrugem , está época eu não jogava mais estava na função de técnico.Bem as tardes de domingo não são as mesmas de outrora, mas continuo lúcido e por isso quando escrevo das qualidades de algum atleta é porque tenho certeza pois os conheci e atuei com eles, as lembranças do coro da torcida gritando “ Tim “.....” Ferrugem “..., são momentos inesquecíveis, ninguém discutia a importância deles no time, pois suas presenças eram garantia de gols e estádios lotado.

3 comentários:

PAULO ESTECHE disse...

Uma imagem...
Mensagem que convence e permanece

PAULO ESTECHE disse...

Dirceu Pato.
Parabéns pelo blog.
Uma bela e importante iniciativa, para nos aproximar da história, de fatos que marcaram nossa querida Guarapuava e também colaborar para ações no presente e projeções para o futuro.
Eu me incluo entre os guarapuavanos que sentavam à mesa do almoço no domingo feliz da vida porque era dia de jogo no Batel.
Ganhar era fundamental, mas estar entre amigos, torcer, vibrar, debater o jogo, coisas que não tinham preço.
O futebol tem uma magia muito grande, difícil de desvendar. Eu arrisco um palpite: não precisa entender de futebol; bastar sentir, deixar a emoção rolar. Quanto menos você for absorvido pelo emocional, mais forte será a sua participação naqueles 90 minutos de catarse coletiva.
Futebol cura tudo. Se levarmos em conta que muitas doenças têm fundo emocional, estresse, raiva, medo... vamos chegar à conclusão que futebol cura até câncer.
São muitas as lembranças e a minha torcida para que o futebol de Guarapuava volter a ocupar seu lugar de brilhantismo, que vou ficando por aqui.

Abçs e parabéns pelo trabalho.

Professor Dallalibera disse...

Ferrugem, um craque com a camisa 7. Pena que não temos mais time em Guarapuava. O Batel voltou em 2009 e eu espero que continue em 2010, mas com um time mais competitivo que pelo menos possa lutar para subir para a segunda divisão. Boa Sorte a quem for comandar!!!!